Pages

4 de novembro de 2010

Central do Brasil (1998)

Um filme de Walter Salles com Fernanda Montenegro e Marília Pêra.

É tenso ter que ver, no horário mais nobre da rede Globo, uma atuação lenta e forçada daquela que já foi uma atriz aclamada por muitos. Falo da veterana Fernanda Montenegro e se a experiência de você, caro leitor, com a atriz só fica em Passione, Central do Brasil é o filme certíssimo para você. Sinceramente, uma das melhores atuações que eu já pude ver, e vocês não sabem como me orgulhei de sentir isso de um filme brasileiro. Eu sou um daqueles que acha que Fernanda deveria ter ganho de lavada da Gwyneth Paltrow no Oscar de 1999, mas não tão surreal a achar que Central do Brasil ganharia de A Vida É Bela no prêmio de melhor filme estrangeiro. É tocante ao extremo e consegue trazer sentimentos à tona desde seus primeiros minutos, com todo o impacto das atuações e com um roteiro bem escrito por Walter Salles.
Dora (Fernanda Montenegro) é uma mulher que ganha a vida escrevendo cartas para analfabetos na Estação Central do Brasil, no Rio de Janeiro. Mas as pessoas que contratam seus serviços mal sabem que quando ela chega em casa, ela elege algumas cartas para serem rasgadas e outras para serem colocadas numa gaveta, sem nunca conhecer o verdadeiro destino. Para esse seu segundo ofício, ela conta com a ajuda de sua única amiga, Irene (Marília Pêra). Mas, num dia, enquanto ela escreve cartas, Ana (Soia Lira) e seu filho Josué (Vinícius de Oliveira) contratam seu serviço para Dora escrever ao pai do menino. Quando a mãe do menino é atropelada, Dora se vê obrigada a levar a criança ao pai, no interior de Pernambuco, em Bom Jesus do Norte.
A atuação é a salvação do filme e é uma salvação plena. Fernanda Montenegro está maravilhosa, consegue trazer os sentimentos mais extremos à tona com poucas palavras e expressões, claro que com a ajuda do roteiro. Soube que ela estava tão convincente gravando na estação que algumas pessoas que não participavam do filme vieram pedir seus serviços. Marília Pêra é uma atuação pequena, mas ótima, além de trazer boa parte do humor para o filme como uma vizinha abestalhada mas não ao ponto de se tornar um estereotipo. Vinícius de Oliveira, como as outras duas atrizes, tem uma atuação incrível, não consigo pensar em qualquer outro global que conseguisse fazer o menino abelhudo com tanta maestria. A parte técnica foi outra coisa que merece aplausos. A fotografia está belíssima, sem pudor em mostrar o Brasil através de carroceiros, palavrões, transporte público caótico, um clima angustiante e uma violência desnecessária.
O roteiro é extremamente simples. A história da busca de um parente é algo que é fácil de se trazer lágrimas, ainda mais quando os personagens têm infâncias sofridas e vão criando um apego bem forte ao longo da sessão. E é ainda mais fácil de se trazer os sentimentos quando toda essa emoção é separada no auge, bruscamente. O filme seria um lixo se as atuações não fossem tão densas. Fora isso, é a mesma coisa da técnica: a beleza do roteiro fica por mostrar os vários lados de um Brasil cheio de pobreza e felicidade através de uma romaria ou de uma viagem de caminhão por auto-estradas, além de todas as cartas endereçadas às mais diferentes regiões. Por falar na romaria, o filme tem um bom aspecto religioso presente, dá para se criar várias interpretações através dos nomes bíblicos usados no filme ou do desmaio que quase foi um exorcismo na personagem de Fernanda Montenegro no auge de sua atuação.
Central do Brasil não mereceria tantos aplausos se não fosse interpretado bem. Demos graças que pegamos Fernanda Montenegro no seu auge para fazer esse filme espetacular e imperdível, que a tornou a única atriz brasileira a ser indicada a prêmio tamanho como o Oscar de melhor atriz, além de faturar muitos outros com a história emocionante feita por Walter Salles.
NOTA: 9

Um comentário:

matedoce&leitequente disse...

Personagens irritantes e clichês a todo momento, a única coisa que se salva nesse filme é a atuação de nossa atriz Fernanda, que convence desde o início apesar do personagem tosco; e a câmera que trabalha muito bem em um roteiro que fica tentando mostrar um Brasil na visão marxista-pequeno-burguesa do final dos anos 1990. Olhar hoje, sem o ufanismo que tomou conta dos cinéfilos À época mostra que esse filme não merecia ganhar o Oscar.