Pages

13 de novembro de 2010

Deixa Ela Entrar (2008)

Um filme de Tomas Alfredson com Lina Leandersson e Kåre Hedebrant.

Agora vamos revelar um segredo que não é tão secreto assim. Embora muitos achem que é um pecado comparar o paraíso cult Deixa Ela Entrar com o pesadelo que é a saga Crepúsculo, é exatamente isso que vou fazer agora. No romance pop, os vampiros não tem imagem. A criadora da saga quis modificar uma ideia já criada para agradar as adolescentes, mostrando que o príncipe encantado pode ser tanto um cavaleiro quanto um vampiro vegetariano. Além de tudo isso, o amor criado entre Kristen Stewart e Robert Pattinson é um dos mais forçados que eu já vi. No drama sueco, os vampiros amam, mas não deixam de lado seu instinto sedento por sangue. E também não brilham quando expostos ao sol, por favor, o que já nos deixa com uma imagem pronta na cabeça. A atuação entre os dois pequenos é tão verdadeira que as mortes no filme só tornam os sentimentos mais sutis e o filme de terror se torna uma chacina romântica.
Num subúrbio movimentado de Estocolmo, Oskar (Kåre Hedebrant), um menino que sofre os terrores do bullying na sua escola, sonha com a tão esperada vingança e com a coragem que a fará se realizar. Sua vida sofre uma reviravolta quando ele conhece sua nova vizinha, Eli (Lina Leandersson), uma garota misteriosa e bonita, que rouba o coração do menino. Oskar logo percebe que há algo de estranho com a menina, e descobre aos poucos que ela é uma vampira sanguinária que não suporta o sol e precisa matar para viver. Embora ela o tenha ajudado a encarar seus medos na escola, o garoto entra em dúvida: a relação deles é uma laço que envolve até mesmo homicídios?
Embora Deixa Ela Entrar deixe um pouco a desejar em alguns aspectos, todo o resto é superior a qualquer história de vampiros que você possa ver por aí. A cena final da piscina é incrível e o filme possui uma fotografia bonita e simpática. A atuação das duas crianças não deixa a desejar. Lina Leandersson está incrível na pele da garota sanguinária, a melhor atuação do longa. Kåre Hedebrant tem uma atuação agradável, acima do mediano mas abaixo de sua namorada vampira. O roteiro provém de uma história de amor entre um vampiro e um mortal. Como já falei, todo o sangue e os desmembramentos mostrados só aumentam a realidade do amor entre os dois jovens, um amor vivido por um pré-adolescente e uma imortal, ambos nunca amaram. E o melhor de tudo é que consegue criar um romance sem denegrir a imagem do vampiro. Vampiro queima no sol. Vampiro bebe sangue, seja lá de quem for. Vampiro é rápido, vampiro é forte, vampiro mata. Vampiro não brilha. Toda vez que eu vejo um vampiro brilhando eu sinto vontade de vomitar.
Assustadoramente lindo. Singelo e mortífero ao mesmo tempo, um dos melhores filmes de vampiro feitos nos últimos anos, um dos melhores filmes de amor feitos nos últimos anos. O que o salva é a verdade nos instintos em relação à fábula popular que é idolatrada cada vez mais nos cinemas. Daqui a pouco as crianças do futuro vão achar que os vampiros brilham. Ontem minha reação seria "elas precisam ver Drácula". Hoje minha reação é "elas precisam ver Deixa Ela Entrar".
NOTA: 8

2 comentários:

Cristiano Contreiras disse...

Não tenho nada contra Crepúsculo, para mim tem seus pontos positivos, mas isso são outros quinhentos.

Deixa ela entrar me parece mesmo um bom filme, vou conferir!

Natalia Souza disse...

Estes são seres sedutores e misteriosos! Desde que eu era pequena, estava interessada em vampiros, tanto no cinema como na literatura. Ao procurar filmes desse assunto, descobri o filme Underworld: Blood Wars É uma ótima oportunidade para passar uma tarde relaxada, especialmente se você gosta deles esses tópicos sobre criaturas fantásticas. ❤️