Pages

27 de agosto de 2010

Shortbus (2006)

Um filme de John Cameron Mitchell com Sook-Yin Lee e Paul Dawson.

Utilizar o sexo num filme é algo perigosíssimo. Se utilizado da maneira errada, ele vira apelativo e passa de uma comédia para um pornô facilmente. Nota-se que eu não coloquei que excesso de sexo num filme o torna indecente e livre de qualquer tentativa de apelo moral. E é isso que eu admirei em Shortbus: todas as cenas tem alto teor sexual. A moral que eles quiseram passar no final pode ser facilmente comparada com orgasmos, o que não a torna menos interessante que outras.
Na Nova York, após o 11 de Setembro, vemos diversos personagens interagirem em suas diversas vidas: temos Sophia Lin (Sook-Yin Lee), uma terapeuta sexual que é pré-orgástica, ou seja, não consegue atingir o orgasmo; temos James e Jamie (Paul Dawson e PJ DeBoy, respectivamente), um casal gay que quer abrir o relacionamento para um patamar poligâmico; e Severin (Lindsay Beamish), uma dominatrix que gosta de tirar fotos inconvenientes. O que todos eles têm em comum? Todos frequentam o Shortbus, um clube onde as pessoas consideradas estranhas pela sociedade vão, se encontram e acham um modo de se divertir, seja fazendo sexo ou conversando, desde que ajude a relaxar após o caos que foi a queda do World Trade Center.
O que gosto na história é porque essa não se rendeu ao clichê. Normalmente histórias com muito sexo se tornam apelativas. Essa se tornou inteligente e divertida. Normalmente histórias com personagens tão fortes quanto um casal gay ou uma dominatrix tratam do preconceito. Essa tratou da liberdade, sem qualquer preconceito implícito ou explícito. Enquanto o manual do "box office" atual prega que histórias boas e interessantes giram em torno de uma trama religiosa, ou cheia de conspirações, ou ainda com milhares de efeitos, esse filme consegue nos encantar com a história de uma mulher que não tem orgasmos, com um depressivo que gosta de se filmar pagando um auto boquete, de uma mulher que poderia ser a próxima Lady GaGa no estilo dominatrix e uma maquete da cidade de Nova York. Sem efeitos algum, pelo contrário, a cena que mais me passa algo é o apagão.
Ótima trilha sonora, com direito aos grandes Yo La Tengo, Animal Collective e Azure Ray. Eu gostei da atuação. Por mais que os atores parecessem amadores, cansados e chateados, tudo teve um aspecto que você não encontra numa superprodução Hollywoodiana com atores super produzidos: naturalidade. Eu vi isso em todos os momentos do filme, exceto talvez, pela parte em que PJ DeBoy canta o hino dos Estados Unidos no cu de Jay Brannan (o que eu achei perfeito como um pontapé nos americanos, seja essa ou não a intenção). Gostei da fotografia e do figurino, principalmente do que Lindsay Beamish usava em suas cenas.
Shortbus é um filmaço. Conseguiu ligar todos os pontos de sua história e criar um fim se utilizando de definições sexuais. Conseguiu promover a agitação e a sociedade nova iorquina após o ataque terrorista de 11 de Setembro. Conseguiu criar histórias que de tão falsas e tão estereotipadas, parecessem casos verdadeiros. E conseguiu criar tudo isso com 75% do filme contendo apenas sexo. Não é pra qualquer um.
NOTA: 8

2 comentários:

@Raspante disse...

Cara que loucura...! hahaha
Não conhecia este filme, mais fiquei curioso, é sempre bom ver um filme na onde o sexo reina e ainda sim, ele se sai bem, sem entrar no ridículo.
Ótima crítica!
Abs.

ADEMAR AMANCIO disse...

Vou ver o filme.Gostei do texto-crítico.